Catálogo:

    Classificação:

    Categoria: Personalidades - estátuas e bustos
    Tipologia: Efígie
    Natureza: Artística
    Tipo: Escultura
    Material: Peça em bronze e pedestal de granito

Dados do Monumento

  • Nome: À Augusto de Vasconcelos
    Data de Inauguração:
    Autor: Miguel Pastor
    Fundição/Atelier:
    Propriedade: Pública
    Tombamento:
    Ano (tombamento):


    Descrição:

    Na homenagem ao senador originalmente existia a sua efigie numa placa em bronze fixada no pedestal que tem caracteristicas de um obelisco.


    Biografia:

    Augusto de Vasconcelos nasceu no subúrbio de Campo Grande, na cidade do Rio de Janeiro, então capital do Império, no dia 5 de abril de 1853, filho de Marcos de Vasconcelos. Formou-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e logo começou a clinicar, conquistando grande destaque em Campo Grande. Ainda durante o Império, foi nomeado delegado de higiene dessa localidade e adquiriu grande influência política, o que o levou a se filiar ao Partido Liberal. Após a proclamação da República (15/11/1889), tornou-se membro do Conselho de Intendência Municipal da cidade do Rio de Janeiro, que passaria a Distrito Federal com a promulgação da primeira Constituição republicana (24/02/1891). Inicialmente foi nomeado pelo governo provisório chefiado pelo marechal Deodoro da Fonseca (1889-1891), mas logo foi eleito para o cargo. Em 1897 foi eleito deputado federal pelo Distrito Federal. Quando, ainda nesse ano, divergências internas entre o presidente da República Prudente de Morais (1894-1898) e o senador gaúcho Pinheiro Machado (1891-1915) levaram à dissolução do Partido Republicano Federal (PRF), ficou ao lado de Prudente. Foi reeleito para a Câmara dos Deputados mais duas vezes, em 1900 e 1903, com mandato até 1905. Em 1906 foi eleito senador com mandato de nove anos. Em 1910 reaproximou-se de Pinheiro Machado e ingressou no Partido Republicano Conservador (PRC), fundado pelo senador gaúcho uma semana antes da posse do residente Hermes da Fonseca (1910-1914) com o objetivo de promover a união das oligarquias dominantes e dos militares em uma agremiação nacional que apoiaria o novo governo. No PRC foi membro da comissão executiva da seção do Distrito Federal. Em janeiro de 1915, por esse partido, foi reeleito senador, reassumindo sua cadeira em maio. No Senado, foi membro das comissões de Saúde Pública, Estatística e Colonização e de Poderes. Faleceu na cidade do Rio de Janeiro em 10 de dezembro de 1915. Foi casado com Maria Freire de Vasconcelos, sobrinha do botânico Freire Alemão. Fonte: CPDOC



    * Fontes dos dados (ver bibliografia)

Sua Localização

Endereço: Av. Santa Cruz - Campo Grande - Rio de Janeiro - RJ
Ampliar o mapa

Mais Fotos

  • Foto frontal
    Vera Dias
  • Foto histórica - 1992
    Vera Dias


Quem sou eu

Vera Dias Sou natural da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro e nasci em 1956. Meus primeiros passos rumo à formação profissional ocorreram em 1974, ao me matricular no curso Técnico de Edificações do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Daí segui para a formação de arquiteta, me graduando em 1981 pelas Faculdades Integradas Silva e Souza. Em 1988, ao terminar a pós-graduação em Urbanismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), me candidatei a uma das 150 vagas abertas no primeiro concurso públ...


Leia mais